Preso por 24 anos por um crime que não cometeu, inocentado e, agora, esposa quer metade do que ele ganhou

A primavera de 1982 parecia cheia de promessas para Steven e Traci Phillips, que tinham acabado de começar um negócio de coberturas em Dallas. Ela estava grávida do primeiro filho.

"Ele é ambicioso e muito trabalhador, um cara brilhante", disse ela. "E eu estava ali ao seu lado o tempo todo".

Mas a sua vida em família terminou naquele ano, quando Steven foi acusado de uma série de crimes sexuais. Em duas audiências em 1982 e 1983, ele foi condenado, baseando-se em testemunhas, apesar dos protestos veementes de sua esposa no banco de testemunhas, de que ele não poderia ter cometido estes crimes.

Ele se declarou culpado de acusações adicionais para evitar um terceiro julgamento e uma sentença pior. Ela passou 10 anos visitando ele, levando o filho e dinheiro para que ele se sustentasse, e na esperança de encontrar uma maneira de tirá-lo. Eventualmente, o casal se afastou e divorciaram-se em 1992.

Steven passou 24 anos na prisão antes que testes de DNA ligassem outro homem aos estupros, o que levou os tribunais a declararem Steven inocente. Em 2009, o Estado lhe concedeu uma indenização de US$ 2 milhões e uma renda mensal de US$ 11 mil. No total, o pacote de compensações pelo tempo que passou na prisão passa de R$ 6 milhões, fora os cuidados com saúde e benefícios educacionais, que ele tem direito a receber.

Sua ex-esposa, agora Traci Tucker, reinvindica uma parte deste dinheiro. Os dois estão em uma batalha legal. Dizem seus advogados que é a primeira do tipo no país. Traci processou Steven e, no ano passado, o Distrito de Dallas lhe concedeu cerca de US$ 150 mil.

"Ele foi vítima de um sistema de justiça falho, e sua família também foi", disse Traci.

Steven está apelando da decisão, e ambos os lados esperam que o caso páre no Tribunal Federal Supremo do Texas, a mais alta corte civil do Estado, para decidir se Traci tem direito a parte da compensação. É uma pergunta que os legisladores se esqueceram de responder.

"Este é um exemplo das consequências não-intencionais da lei", disse o deputado estadual Rafael Anchia. "Nós não pensamos sobre o direito dos cônjuges que se divorciam destes homens inocentes, enquanto eles estavam na prisão".

Steven disse que a ação judicial de sua ex-mulher corre desde que ele foi beneficiado.

"Quando o queijo está sobre a mesa, os ratos saem", disse ele, acrescentando que não sente mágoa de Traci. Outra ex mulher apareceu para tentar recuperar a sustentação de uma criança que não foi paga durante seus anos de prisão.

Steven já gastou mais de US$300 mil em advogados desde que foi libertado e que, apesar da compensação, tem se esforçado para manter sua empresa.

"Essa compensação só me trouxe problemas", disse Steven.

No seu recurso, Steven argumentou que a compensação não foi por salários perdidos, como sustenta Traci. A compensação, segundo os advogados escreveram no recurso, é uma resposta legal aos anos de prisão injusta, não fazendo qualquer referência aos valores que poderia ter ganho se estivesse livre.

Segundo Steven, ele não tinha direito à compensação quando se divorciou, portanto as leis de divisão de bens não podem se aplicar a este caso.

Steven disse que era louvável o empenho de Traci quando estava preso, mas afirmou que raramente era visitado. "É ultrajante que ela faça uma reclamação sobre os anos que passei preso".

Matt Kita, um advogado de Traci, disse que a lei deve contabilizar os danos causados ao conjuge do condenado injustamente, que perdem o companheirismo e renda e enfrentam o estigma de ter um companheiro preso.

"Ela poderia ter sido uma esposa incrível, ou ele poderia ter sido um péssimo marido; mas a lei não considera isso", disse Kita.

Traci disse que não tem como calcular o quanto gastou com advogados, viagens e necessidades com Steven quando ele estava preso.

"Para mim, o casamento era para toda a vida, e eu ia ficar com ele para sempre, e que iriamos passar por isso - ou assim eu pensava", disse ela.

Segundo ela, foi Steven quem pediu o divórcio, e foi ele que mandou ela tocar a vida.

O tribunal concedeu uma indenização de 114 mil dólares a Traci, mais honorários, o que elevou a indenização a 153 mil dólares.

Tucker disse esperar que o caso faria os legisladores repensarem a lei, e os estragos que condenações injustas causam nas famílias.

"Não é tudo sobre dinheiro", disse Traci, "Simplesmente não há reconhecimento. Apenas "desculpe pessoal, por ter arruinado a sua vida, ter tomado o seu provedor e melhor amigo" Nada".


---------------------------------
Sr. X estouvomitandolitroscomessaputa: Que porra do cacete foi essa que eu acabei de ler. Meus bagos caíram rolando pela sala quando terminei de traduzir essa bosta do caralho! Puta que pariu!

A esposinha desiste de esperar o marido que se fudeu em uma acusação falsa de estupro (diga-se de passagem que acusações falsas de estupro são muito comuns, tanto aqui no Brasil quanto lá) , arruma outro macho, rebola na pica dele durante 14 anos, se esquece do Steven; aí, um belo dia, Steven é solto, ganha 6 milhões pelos anos que passou preso e sendo estuprado na cadeia, e, do nada, a putinha reaparece querendo metade do bolo???



Cara, meu cu saiu pela boca lendo essa porra. A vadia dizendo que foi tão vítima quanto ele, mesmo tendo pulado fora e arrumado outro macho; dizendo que o Estado também ferrou com a vida dela (o que daria a ela direito de mover uma ação contra O ESTADO, não contra o Steven); e, por fim, ainda teve o cinismo de dizer que não foi por dinheiro...

Neste caso, tenho a mesma opinião de um comentarista: ela pode até ter direito à metade da indenização, desde que passe 24 anos na cadeia! E aí, vadia? Pode ser?

10 comentários:

  1. alguma coisa ela deveria ganhar pq ela gastou tentou ajudar o cara por 10 anos, entao algum gasto ela teve, claro obviamente metade nao merece, mas uma indenizacao simbolica de uns 20mil dolares mereceria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim e ela deveria mesmo cobrar por isso é ? se ela tava com ele o normal é ela ter ido e ter gasto mesmo filhote.

      Excluir
    2. Mas ela deveria processar o Estado, e não o ex-marido, mas ela viu que seria mais fácil tirar dinheiro do ex-marido do que o Estado.

      Excluir
    3. merece o caralho... se acha que esses 10 anos ela foi santinha??? se liga rapaz...

      Excluir
  2. Quanto ódio nesse coraçãozinho!

    ResponderExcluir
  3. Que sacanagem. Coisa de nada mais do que puta.

    ResponderExcluir
  4. Os caras aqui são tudo cuzão, tudo postando anonimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cuzão o que mlk, ninguém aqui é otário , todo mundo preserva a identidade.

      Excluir
  5. ALÉM DE MUITOS MANGINAS AQUI, TEMOS TAMBÉM MUITAS LOLISTAS TENTANDO FERIR NOSSOS EGOS COM O MESMO BLÁ BLÁ BLÁ IDIOTA : - Femanazistas se identificam, "MASCUS" SÃO COVARDES DE POSTAM ANONIMOS...
    VAI TOMAR NO CÚ BANDO DE IDIOTAS ! o que seria das forças revolucionarias se não protegessem suas identidades ?
    É REALMENTE MUITO FÁCIL BANCAR AS CORAJOSAS EM UM TERRITÓRIO FAVORÁVEL E POLARIZADO AOS SEUS ABUSOS NÉ ? VÃO SE FODER !

    ResponderExcluir