Conhecer a Real no meio do namoro

Dúvida postada no fórum. Melhor resposta segue abaixo:

Oi pessoal. Esse é meu primeiro post no fórum (tanto que ainda nem descobri como colocar a foto no meu avatar ), e nem sei se é aqui o lugar certo pra escrever, mas conto com a compreensão dos moderadores, e de todos que lerem.


Vamos lá. A história é longa. E tem coisas aqui que a namorada nem imagina.

Antes de tudo, eu era o típico beta. Comecei a abrir os olhos quando um dos meus melhores amigos (ele, meu irmão e mais um são o que chamo de Irmandade) me indicou um livro chamado How to become an alpha male. Isso foi em dezembro de 2011. Eu nem lembro como foi a situação que ele indicou. Só sei que depois de ler alguns capítulos vi que eu agia como um perfeito beta (sem confiança, gente boa (nice guy) e sem mulher) e comecei a mudar algumas coisas.

Primeiro, fiquei mais confiante no agir, na postura. Desde então consigo falar melhor, seja em seminários, como em conversas informais.

Segundo, aí agi como um beta de novo. Criei um perfil no Face (fb), e saí adicionando algumas meninas da facul que estava de olho. Iria testar pra ver se conseguia sucesso com alguma.

O bom foi conhecer algumas meninas (n conhcia nenhuma) e ter um plano B. O melhor, foi que conheci minha atual namorada. Começamos a nos falar em dezembro/2011, e conversa vai, vem, aí fomos pro gmail, msn, cartas, ela sempre dizendo que sofreu muito no passado e tinha medo de relacionamentos, sentimentos, etc.

Em março/2012, ela se declarou. Eu me aguentei até o fim, até ela se declarar. Não queria tomar a iniciativa, apesar dela, depois, dizer que esperava isso de mim ( ). Começamos aí.

Aí foi aquela fase do mundo rosa: romântico ao extremo, ela também. Era um vício. Mas ela sempre fazia os jogos emocionais. Brigava, e eu sempre ia atrás pedir desculpa, e tudo ficava bem.

Até que em Maio (se não me engano, foi dia 25/05/12) aconteceu o fato mais marcante em minha vida até então: nós transamos.

OBS 1.1: ela não era virgem (eu já estimava isso, mas ela nunca disse abertamente, nem eu perguntei), mas eu sim. Por isso fiquei enrolando. Muita ansiedade, mas tbm muito medo de fazer merda, ela perceber e aí ficar só. Até hoje não arrisquei perguntar se ela sabia que eu era virgem.

Foram uns 2 meses no ritmo do carnaval da Bahia. Parecia que não era só eu que não transava há um tempão.

Porém, no final de 2012 os jogos emocionais foram me cansando. Chegou um ponto que eu disse pro pessoal daqui de casa que eu iria terminar sem dó. Mas depois de vê-la, arreguei. Deixem explicar, pq esse padrão tem se repetido até hoje:

Eu sinto que ela me ama mesmo, até mais do que eu. Ela diz pensar em mim o tempo todo, e as ações dela comprovam. Eu não sou mais romântico como era no começo. Sempre dividimos as contas em 2. Sempre. Sou pobre, meus pais mandam apenas o básico pra eu passar o mês (alimentação) na facul. Não tenho carro, sou de uma turma muito nerd do campus. Não sou muito sociável, apesar de ter bons amigos e colegas. Então, aos critérios do NA, não sou atraente às mulheres. Não me destaco.

Aliás, eu sou inteligente e sei conversar muito bem, quando quero. Só que não sou do tipo que gosta de ter um monte de gente em volta. Prefiro poucos, mas de confiança.

Em toda briga/problema que eu fui durão, ela arregou. Ela chora, se desespera e aí eu lembro desses motivos que descrevi acima. Ela não tem motivos pra me amar, não da forma mostrada pelo NA. E está comigo, faz questão de estar.

Além de tudo, ela tem um passado meio sombrio. Eu nunca fui de baladas, nem de beber. Já ela era o oposto. Bebia muito, e era festeira, e tinha amigas festeiras. Tinha muitos amigos homens, e tem ainda mil e tantos no fb, apesar dela quase não entrar lá. Eu tenho as senhas dela (email e fb), mas ela não tem as minhas. Vejo que ela não dá bola. Mudei esses hábitos dela. Sofri, mas consegui. Hoje ela não bebe (só com os pais, e olhe lá), não vai em festas, não tem amizade masculina e nem amigas festeiras.

Um dia eu fucei no fb dela, nas mensagens inbox, pra ver com quem ela conversava no passado. Descobri alguns ficantes dela (ex-ficantes). Todos do tipo mais várzea possível.

Ah, ela era de torcida organizada, e gosta de pagode, samba e funk, mas desde que está comigo, ela cortou com a torcida e não ouve mais essas musicas, apesar de gostar ainda.

Ou seja, segundo o NA o passado dela condena. Provável piriguete. Mas quando eu comecei, eu não sabia, e ela aparentemente se apaixonou por mim.

Aí um colega do fb me apresentou, há 1 mês, o NA e a página Metendo a Real. Li o Como lidar com as mulheres alucinadamente. Me impressionei. Abri completamente os olhos, fui desperto. Hoje consigo enxergar plenamente os jogos emocionais de todas as mulheres, e os betas no caminho (e alfas). Foi uma luz.

O problema é que comecei a aplicar as táticas do NA no meu namoro . Quando ela faz birra, não faço questão de correr atrás, e dependendo de como ela agiu, eu ajo 10x pior. Fiquei mais sexista também, no sentido de prestar atenção à frescura dela para transar. Já não era mais tão romântico (decaimento natural do tempo de namoro) e depois do NA então, quase não resta nada de romantismo.

Ela percebeu. Começou a reclamar. Diz que eu mudei. Outro dia, depois de ficar p com o doce dela na cama, ela disse que é broxante não ter certeza que estou firme com ela. Ou seja, ela está dizendo, com outras palavras, que pra liberar o sexo, tem que ter plena certeza que estou na dela. Quer ter plena ctz que eu a amo, e que não vou deixá-la.

Aí entrei em conflito. O NA não disse que o mistério estimula as mulheres, e deve ser mantido na relação? E que quando a mulher te conhece extremamente bem e sabe que vc está seguro com ela, ela perderá o interesse?

Mas minha namorada disse exatamente o oposto, e tem agido assim. Aliás, ela sempre foi difícil (geniosa), e na cama também, exceto nos 2 primeiros meses (maio-junho/2012). 

Vamos ressaltar os fatos:

1) O passado dela é condenável aos meus padrões, mas ela sempre se preocupa comigo e eu não tenho os atrativos interesseiros que o NA fala.

2) Ela não é exceção: faz muitos joguinhos emocionais, do tipo de ficar P com um "erro" meu e jogar a culpa em mim até a hora que eu fico durão e ela arrega.
Nesse aqui vai até um parêntese: na páscoa, viajei com ela pra casa dos seus pais. Saímos bem cedo, e ao tentar abrir o portão da casa dela com a chave, ela emperrou na fechadura. Foi o suficiente pra namorada ficar nervosinha. Daí eu falei: CACETE, A CHAVE EMPERROU. EU SÓ GIREI A CHAVE, ENTÃO PARA DE DAR PITI. E fiquei com cara de pedra até a rodoviária, e chegando lá, nem esperei ela descer do ônibus (fomos de ônibus pra rodoviária): saí sem olhar pra trás, pra esperar o busão que ia pra cidade dos pais dela. Ela chegou logo depois, e depois de uns 5min esperando o busão longe de mim, veio até mim dizendo que ia em outro horário, que não iria comigo nesse estado. Eu falei: tá bom, então eu não vou. Pode ficar com as passagens. To voltando pra casa dos meus pais hoje. Tchau. E virei as costas. Ela me seguiu, me gritou e implorou chorando pra eu não ir pra casa. Eu cedi, e fomos pra casa dos pais dela, pois era algo que combinamos com eles faz tempo. Isso foi um exemplo da birra dela.

3) Ela não melhora na cama. Ela diz que nunca deu muita importância ao sexo e não sente falta. Se eu falo que é, ela fala que eu to agindo como todo homem. Eu não to esperando uma deusa pornô, mas po...tem como melhorar sim.

4) A rotina dela é terrível. Ela acorda as 0600, pega o onibus as 0700 pra trabalhar das 0800 até 1300. Aí ela pega onibus pra faculdade, pra chegar as 1400 lá (eu estudo la tbm), e vai até as 1800. Como ela n tem como comprar marmita, fazemos janta juntos. É a única coisa de casa que eu ajudo.

5) Eu praticamente moro com ela. Na casa dela. Ela diz que a irmã dela faz isso tbm e que namorados que moram na mesma cidade, sem os pais, fazem isso. . Só que todo fds eu volto pra cidade dos meus pais, exceto 1x por mês, pra ficar com ela. Ela trabalha apenas numa pizzaria, no fds, das 1800-0000h. Nada mais.

A minha dúvida é: diante dessa história, e desses fatos, devo continuar com ela? Como saber se ela não é apenas uma vadia interesseira, ou egoísta que quer ter alguém massageando seu ego? E se ela não for nada disso, mesmo assim, como lidar com esse problema da falta de tempo, e de sexo? Devo continuar sendo misterioso, não-romântico e agindo no esquema de punição-recompensa do NA?

Qual a opinião de vocês, confrades mais experientes, sobre essa situação?

PS: só pra constar, eu mandei SMS falando que ia dormir mais cedo (era 23h), e ela tava no trampo. Ou seja, ela n poderia me ligar. Aí quando ela chegou em casa, lá pra 0h, ela me mandou umas SMS falando um monte de coisas, vou postar aqui: (claro que eu n respondi)

SMS 1:
Sabe, desde que troquei as primeiras palavras com vc eu ja podia te amar o qto seria bom t amar e ter vc comigo. Depois d td quepassamos, eu constato que t amar foi uma das coisas mais inéditas e demais que me aconteceram.

SMS 2:
eu sei q as coisas n andam bem, e q eu, mais uma vez, me enganei achando q tava td bem sexta.

SMS 3:
qndo vc tá comigo é uma coisa, mas qdo eu mais preciso ter ctz que vc me ama, q é qdo vc tá longe, eu sinto que to t perdendo. Alias, que já te perdi.--> eu to na cidade dos meus pais hoje.

SMS 4:
Eu n vou desistir amor, n vou. Mas n sei até qdo vou resistir. Eh dificil lutar sozinha.--> ameaça?

SMS 5:
So n deixa d ser meu amigo, pq eu n posso e nem quero viver sem vc. Vc eh a pessoa mais incrivel e especial que eu ja conheci, e eu temo todos os dias t perder.--> amigo? teme me perder? friendzone?

SMS 6:
Eu vou entender qualquer uma das suas escolhas, sei que ta td errado por minha culpa.

SMS 7:
Vou cuidar d vc e t dar todo o meu amor ate qdo eu puder. Eu te amo.

SMS 8:ela manda uma SMS romanticona minha, que mandei ano passado, e diz:
como isso faz falta.

SMS 9:
N precisa me ligar se vc n quiser. Eu preciso aprender algumas coisas. Te espero, amor. Beijos.

É isso. Espero a opinião de vcs.

EDIT:
Conversando com um amigo, minha opinião tá mais clara. Ela gosta mais de mim do que eu dela. No fundo, o que me prende mesmo é a gratidão....pq ela gosta muito de mim. Eu temo ficar com remorsos caso termine pelo simples motivo de não gostar dela (n a ponto de encarar uma relação séria), pq ela vai sofrer muito.

Ficar com ela por gratidão, e levar até onde dá...ou terminar do nada?


Melhor resposta (Solis):



Você está perdido, cara. Não, não é por causa dela ou algo assim. É porque você está perto demais da situação pra enxergar "the whole picture", ou seja, toda ela imparcialmente. Da mesma forma, você tem suas certezas que não está disposto a largar, mesmo você sabendo que é inexperiente. Você que ser se sentir seguro com uma armadura de papel ou está disposto a olhar pra você e observar suas fraquezas, sem medo do orgulho ferido?


Mas não é apaixonamento. Não aceito tudo o que ela faz.


E os joguinhos que ela tanto faz, você aceita então? Esse papo de "não aceito" não quer dizer que é desapegado. Pense num cara bem ciumento, como ele age? Não é implicando com qualquer coisa que a namorada faz? "Não aceitando" isso ou aquilo?

Seu problema nesse momento é ego. Dizem que se pede conselho quando você já sabe o que vai fazer, mas quer ouvir confirmação de outra pessoa... Vendo o seu texto, você reforça muito algumas coisas, como a "conversão" e boas intenções da sua namorada e o seu "desapego".

Outra coisa curiosa é que você diz que VOCÊ mudou os hábitos dela. Não era ela que tinha que mudar? Isso só comprova que está muito apegado. E de novo, você quer dizer a você mesmo que ela mudou e que o passado não importa.


Ou seja, ela está dizendo, com outras palavras, que pra liberar o sexo, tem que ter plena certeza que estou na dela. Quer ter plena ctz que eu a amo, e que não vou deixá-la.


Se ela te desse valor de verdade, ao receber certa indiferença o sexo ia melhorar. A mulher sabe que com o sexo pode prender um cara. No seu caso, parece que piorou, ou seja, ela não tem o menor medo de que o namoro termine, então só dá o necessário pra manter o apego em você pra manter o namoro por enquanto (quando aparecer algo melhor que você, ela termina). O que você achou que era contradição, na verdade é prova do que eu acabei de dizer.

O problema de "conhecer a real durante o namoro" (ou quando se é inexperiente) é exatamente isso tudo. Você não tem o mais básico de tudo pra aplicar NA, que é o desapego e não dar bola para o que ela diz e diz sentir. A consequência disso, é não usar o conhecimento da maneira correta, afinal, você apesar de todo o enchimento de saco que você teve até agora, não conseguiu terminar e vem justificar dizendo que tem pena dela e não sei o que mais. Você pode mentir pra todo mundo, mas não pra você mesmo. Se não abandonar essa máscara de "eu sei, me garanto" vai quebrar muito a cara na vida pra aprender (e nem me refiro especificamente a relacionamentos, mas na vida em geral). Eu já estive numa situação bem parecida e conheço como acaba essa história. Você pode agir como homem agora e sofrer um pouco, ou pode adiar e sofrer bem mais lá na frente. Você escolhe.

1 comentários:

  1. Cara, tive pena da minha ex porque ela vinha da perda do pai. Eu reavaliei e comecei a fazer o relacionamento andar de outra forma. No final, mesmo quando consegui ir ajeitando bem as coisas, ela terminou comigo sem que nem por que. Pena? Ela pouco se fudeu pro que eu sentia por ela. Iria até o inferno por ela... Ela me abandonou por algo que ela julgou ser mais "proximo ao paraiso"... Eu pensei em nos dois, ela pensou em si mesma. Pensou no que amigas falavam, no que a mãe falava, e não pensou 2x. Inclusive fingiu que estava gostando da minha mudança. Arrancou a minha cabeça sem dó, quando conseguiu fisgar um cara mais destacado que eu. A santa agia então como uma vadia qualquer... Por isso, cara, nao vale a pena mesmo ter essa peninha, jogar sua honra, seus anseios por ela... Sabe por que? ela nao vai fazer o mesmo por voce, mesmo que fosse necessário...

    ResponderExcluir