Guia anti-social: perguntas, respostas e comentários.

Por Vasiliy Zaytsev

Quando tu é um anti-social, é uma merda perder tempo com gente falando na faculdade, no trabalho, baladeiros, micareteiros, metaleiros, funkeiros, forrozeiros e toda a escória terminada em EIROS. Na verdade, ser anti-social com tal gentalha não é só um estilo como um DEVER.



Por isso vou mostrar um guia para os PASPALHOS não ficarem tímidos e os outros idiotas não pensarem que TU, anti-social, é um otaKUzeiro de merda, um nerd, um programador java, um usuário de linux.




Tudo consiste em já ter em mente basicamente o que falar. E sempre executar as falas de maneira malemolente, boca mole (sem parecer que tá drogado, imbecil), sem medo.

Se você tiver numa rodinha, amigos apresentados, toda aquela lenga-lenga: tenha postura, olhe nos olhos, não te intimida, porra. Não vou aprofundar em linguagem corporal porque esse episódio vai tratar só das RESPOSTAS E PERGUNTAS que tu deves fazer para tirar a pecha de virjão, porém SEM SE ENTURMAR COM OS CHURDOS FREQUENTADORES DO LOCAL E/OU CASA E/OU RODINHA.


Geralmente, perguntam qual o seu nome. Se tiver um apelido, diga-o. A não ser se você tiver nomes modernosos de mulheres que deram o CU na década de 90, como Rafael, Danilo, Tiago... mas se teu nome for Roberto, Walter, Edson, Silvio, Jorge, João... nomes mais comuns entre pessoas mais velhas e tiver um apelido, use-o. A geração atual não leva um ROBERTO a sério. Se não tiver apelido, foda-se, não vai gastar tempo para se enturmar com esses esgotos. Use o nome mesmo.


Quebrado o gelo, é a hora das perguntas. Use coisas básicas que não ocupem muito tempo e saliva, afinal sabemos que raveiros e bebedores de jurupinga não merecem mais que um CUSPE. USE AS OPÇÕES:

"Aí, beleza?"

"Aí, só de boa?"

"Aí, chegaram quando?"

"Aí, vamo entrá?"

"Aí, só na night, só?"

"Aí, na curtição?"

"Aí?"


Quando tu tiveres te dirigindo a só UMA pessoa, aquela minazinha que já rodou na pica de 300 cafas, aquela vadia que engoliu porra há 10 minutos, aquele paspalho que pagou 50 conto numa garrafa de ICE ou até mesmo aquele jogador de RPG que tá na casa de fulano pagando de descolado, sempre use o padrão e as opções abaixo:

"Tu trabalha onde?"

"Tu mora longe?"

"Tu faz facul (não usar faculdade)?" --- "Ah, faz? do que que tu faz?"

"Tu já entrou lá?"

"Tu quer dançar?"

"Tu tá de boa?"

"Tu curte essa balada?"

"Tu é amigo do fulano, né?"

"Tu é aquele cara lá, né? Tô ligado" (não é para dizer o local, é para dizer literalmente TU É AQUELE CARA LÁ, mesmo que não conheça e nunca tenha visto mais gordo... e responda TÔ LIGADO mesmo que ele diga não)

"Tu também é amigo dele?" (apontar para uma pessoa aleatória)

Quando tiveres que direcionar-se numa pergunta GERAL, porém de cunho não tão aleatório quando o "aí", use sempre CÊS.

"Cês vão no bar mais tarde?"

"Cês tão de boa?"

"Cês se conhecem faz tempo"

"Cês vão ficar aqui só de boa?"

Já deu para perceber que isso é proposital pois é o que DEVE ser feito. Sempre comece as frases com AÍ, TU ou CÊS. NENHUM OUTRO COMEÇO. Variações são permitidas e ficam maneiras.

"Aí, tu tá estudando, fazendo faculdade...?" (repare: essa é a frase mais LONGA de todas e é proposital. Não fale mais de 10 palavras)

"Aí, cês se conheceram no trabalho?"

Como dito, não fale mais que isso. Pois a conversa entre estranhos é um JOGO. Cada vez que tu termina uma frase, está jogando para a outra pessoa a RESPONSABILIDADE de continuar a conversa. Lembra-te: aqui o objetivo não é se enturmar, pegar mulher. É apenas para situações onde tu é apresentado como amigo, rodinhas imbecis, FRENTES DE BALADAS E POSTOS DE GASOLINA e etc.

"Apenas jogue o jogo deles e os VENÇA." (Silvio)

Aí vem a hora difícil. Conversa jogada fora, virão as perguntas específicas e os comentários, as conversas maiores. Ou naturalmente, ou quando o cara respondeu uma de suas frases começadas com TU. É importante estar preparado. Seja firme, curto e incisivo.


Quando te convidam para um lugar, tu não quer: TÔ SUSSA/TÔ DE BOA
(OBS: tô de boa é batido, então use o TÔ SUSSA. Além disso, faça um gesto discreto negativo, caso o BURRO - lembre-se: são pessoas com QI de golfinho - não perceba a negação)

Quando perguntam como você está: TÔ SUSSA

"Então, vamo lá co nóis?" - TÔ SUSSA

Quando te colocam bebida e tu não quer: TÔ SUSSA

Quando te convidam e você aceita: JÁ É

Quando a garota te chama prum canto mais discreto: JÁ É

Quando a mãe do cara pergunta se você quer mais bolachas: JÁ É

Quando temos uma situação difícil, como rachar compras quaisquer: AÍ É OSSO/PAIA (preferível osso)

Quando o cara te conta uma parada complicada que aconteceu: AÍ É OSSO - AÍ É PAIA - AÍ É FODA

(OBS: caso OSSO/PAIA não seja uma gíria na tua região, mantenha-as. Use o máximo possível de gírias que não são da tua região, seja ela qual for. Isso intimida, mostra que tu é o FODÃO DAS GÍRIAS E DAS LINGUAGENS NÃO-FORMAIS)

Contam uma coisa legal: MUITO FODA/DAORA

Sugerem, quem sabe, uma saída para algum lugar: Ô, MUITO FODA

Sugerem, quem sabe, uma saida para algum lugar e você não quer: MEIO PAIA ISSO AÍ... TÔ SUSSA(repare na resposta longuíssima. situações de recusa exigem mais palavras mesmo, para tu não pareceres chato)

A mina conta que tá meio mal por alguém: AÍ É PAIA.

Sabe aquela balada/bar lá: SEI, DAORA/FODA! (seja lá qual for a balada ou bar, ou boate, ou puteiro, diga que conhece. Você vai ser visto como BALADEIRÃO, SOCIALZÃO. A não ser se você for um forasteiro né, IDIOTA)

Alguém se fode: SE FODE AÍ

Alguém tomou toco de mina: SE FODE AÍ, HAHAHA (tapinha nas costas de leve... se ele se enfezar responda com um CALMA, TÔ DE BOA)

(Repare que o SE FODE AÍ é a única coisa sincera que você vai dizer, mas diga falsamente, sorrindo, amistosamente. Depois vai lá e pega a mina que deu toco no cara, seja alpha. Dane-se ele, ele já foi sentenciado pelo SE FODE AÍ)



Existem inúmeras situações, até porque eu me concentrei nas rodinhas e encontros em postos de gasolina, apresentação para desconhecidos, mas inevitavelmente algumas, como a última, foram de balada. Existem 1000 situações, então faço aqui um diagrama de bolso, de guardanapo, simplicando tudo:


Convites aceitos: JÁ É

Convites não-aceitos: TÔ SUSSA

Negação de sugestão: MEIO PAIA ISSO... TÔ SUSSA

Comentário após conversa positiva: DAORA

Comentário após conversa negativa: AÍ É OSSO

Pergunta sobre conhecimento de qualquer local: SEI, TÔ LIGADO

Pergunta sobre onde ficam esses locais: TAVA BÊBADO, NÃO LEMBRO (assim tu não fica de guia)


Não esqueça dos inícios nas aprensentações, conversas vazias e etc: sempre com TU, AÍ, CÊS, usando sempre gírias, muitas gírias, de preferência que NÃO SEJAM da tua região. Seja o dominador da conversa. Tu manda nas gírias, porra.


Guarda o seguinte, filho de uma puta que faz boquete em troca de crack (nada pessoal )


AS RELAÇÕES HUMANAS NÃO PRECISAM DE MAIS PALAVRAS QUE AS SUPRACITADAS. Até porque relação com raveiros, funkeiros, micareteiros e forrozeiros não são relações humanas, e sim relações bestiais, quase uma zoofilia mental.





*****************************************************************************************

Bom, nerds trancafiados em quartos fedorentos com resto de Cheetos no beiço, respondam SÓ ISSO. Pensei em anti-sociais comuns, sagazes, seguros de si como eu , mas também pensei principalmente em gente que come Doritos com Coca. Nada diferente do que foi dito aqui. Baladeiros, micarateiros e EIROS não merecem mais que 5 palavras (pode chegar a 7 ou até 10 em circunstâncias de negação, mas nelas deve estar incluído o PAIA e o SUSSA)

Esse é o guia geral. Apesar da escrotidão com os micareteiros e etc, ele serve para qualquer um que seja jovem... lembre-se que a maioria dos jovens de hoje são tansos, burros e retardados e isso vale até os 30 anos, mais ou menos.


Se tu é um filha da puta que nem eu, que não deixam saber sobre sua vida e é mentiroso (é legal enganar baladeiros, zoológico ta aí para provar como o humano comum curte a interação animalesca) com estúpidos e vadias (pleonasmo), vem aí um guia próximo. GUIA ANTI-SOCIAL: COMO TE LIVRAR DE PERGUNTAS PESSOAIS E TABUS. Aguardem, até 2013 eu faço.

Fui.

3 comentários: