Competitividade move o mundo

Eu já li algumas teorias mirabolantes sobre o verdadeiro sentido da vida. Alguns dizem que o objetivo de nossas vidas é ficar rico. Outros dizem que o objetivo é "lutar para construir um mundo melhor". Tem, também, os que defendem que o nosso objetivo de vida é gerar filhos, e tem até os que defendem que, na verdade, o nosso objetivo de vida é obter sexo. Para os religiosos, nosso objetivo de vida é a "salvação eterna", ou algum tipo de "prêmio divino pós-morte".

Embora cada uma dessas teorias tenham lá a sua razão (eu sou religioso), eu acredito que, na verdade, o nosso principal objetivo é competir. Sim, enquanto há competição, a vida tem algum sentido. Acabou a competição, acabou o sentido da vida.


Você já parou para analisar que os momentos de sua vida que você se sentiu mais "vivo", mais "empolgado", foram justamente aqueles em que você estava competindo? Desde uma simples partida de futebol até uma vaga de emprego em uma multinacional, a competição, em si, é o que nos dá força para continuar seguindo em frente. É a competição que nos impele a melhorar, a nos superar, enfim: a competição é tudo para nós!

Quando eu era mais novo e morava em uma cidadezinha do interior, de frente para a minha casa, tinha um boteco. No tal boteco, sempre tinham alguns velhinhos sentados em uma mesa jogando xadrez. Eles jogavam dia e noite, e chamavam a atenção de todo mundo por causa das disputas. Eu, mesmo, uma vez arrisquei desafiar um deles. Não preciso dizer que perdi feio para eles! Lição que tiramos: mesmo pessoas de idade, que, supostamente, já fizeram a "sua parte" e que só querem descansar, precisam estar competindo de alguma forma.

A competição está em todos os lugares. Crianças competem entre si nas suas brincadeiras. Alunos sérios competem entre si para ver quem "termina a prova mais rápido", ou quem "tira a maior nota". Os eventos que fazem maior sucesso são justamente aqueles em que há algum tipo de competição, onde o vencedor receberá um excelente prêmio. 

Mesmo onde ocorre trabalho em grupo, existe competição. Sempre tem aquele que quer se destacar entre os companheiros, o jogador que quer receber os méritos sozinho, o empregado que quer ver seu trabalho visto a despeito dos demais.


Uma vez, li no site do William Craig que ele dá palestras, escreve livros, faz vídeos, mas nada traz mais audiência para o trabalho dele que os famosos DEBATES COM ATEUS! Nesses debates, a disputa de argumentos é feroz, e um tenta, a todo custo, desmoralizar o outro. As pessoas de ambos os lados vibram com os debates, e alguns (como eu) só chegaram a conhecer o trabalho dele justamente através desses debates ferozes.

Como já dito, no mercado de trabalho (tanto faz se falamos de empresários e trabalhadores), a competição é constante. Por causa da competição, a tecnologia avança a uma velocidade inacreditável. As empresas, no afã de engolirem as concorrentes, elaboram aparelhos cada vez mais sofisticados e que trazem maior comodidade aos consumidores, pelo melhor preço. Empresas sem espírito de competitividade estão fadadas a desaparecerem do mercado, enquanto as empresas competitivas se tornam mega-corporações.

Até mesmo no lazer estamos acostumados a competir. Esportes, video-games (o que é mais emocionante: uma partida contra jogadores humanos ou contra o PC?), enfim, qualquer brincadeira se torna mais divertida se houver competição no meio.

Na minha infância, eu adorava esmagar outros jogadores no Mortal Kombat.

Muito embora a competição esteja impregnada nos nossos instintos, o marxismo parece ter a clara intenção de eliminá-la. Os movimentos sociais, ao invés de apontar o dedo na cara das pessoas e dizer: "Vá lá e derrote-o, se quiser conquistar alguma coisa"; eles dizem: "Tadinho de você. Sofre preconceito por causa do sexo, da cor, da religião/ateísmo, da orientação sexual. Pode deixar, que eu vou lá facilitar tudo para que você vença aquele opressor infeliz!". De outra forma, o que você me diz a respeito de cotas para mulheres, para negros, gays, etc? Por acaso, eles não teriam competência suficiente para disputar com o homem branco e heterossexual por melhores condições de vida? Porque é a impressão que passa: se eles precisam de ajuda para vencer na vida, é porque são fracos demais para conseguirem sozinhos, e, aí, precisam de um empurrão. Ou, em outras palavras: precisam fazer uma "trapaçazinha" para vencerem, já que são inferiores...

As pessoas que se envolvem com esses movimentos não percebem que, ao se meterem nessas questões, eles estão tolhendo o espírito competitivo, ao passar a imagem de que, se fulano é negro, gay ou mulher, só poderá vencer na vida se for ajudado pelo movimento social. Sabemos que as coisas não funcionam assim. Se fulano ou ciclano não atingiu seus objetivos de vida, a culpa é dele e somente dele! Faltou competência, faltou força de vontade, sei lá!

Eu não sei você. Mas, para mim, receber qualquer tipo de ajuda é humilhante! Qualquer tipo de ajuda! Se eu estou competindo com alguém melhor ou mais forte que eu e percebo que ele facilitou para que eu vencesse, cara, eu me sinto profundamente ofendido! Chego a brigar com o sujeito por ter facilitado as coisas para mim! Nada dá mais gosto de vitória do que você saber que venceu sem precisar de ajuda do seu adversário! É gratificante saber que ele usou todos os recursos, toda a sua habilidade e perdeu para você mesmo assim!

Mulheres discordam de mim, rs

Ok, perder também é humilhante. Aquela história de que "o importante é competir" é uma mentira do politicamente correto. O importante é VENCER, não competir! Outra mentira pregada por aí é que nós devemos aprender com nossas derrotas. Cara, ninguém aprende nada com derrota. A única lição que tiramos da derrota é que "perder é ruim!". Se você vai entrar em uma competição qualquer, pode até ser que você perca lá na frente. Mas não é por isso que você vai ficar considerando essa possibilidade. Você deve entrar na competição com a intenção clara de vencer seu adversário!


Mesmo assim, é preferível perder a ter uma vitória facilitada. 

Essa, provavelmente, é a maior diferença entre o movimento da Real e os demais movimentos sociais. Aqui, nós não queremos facilitar a vida de ninguém. Não queremos criar bloqueios jurídicos e culturais (assim como feministas e gayzistas fazem) para que nossa vitória seja facilitada. Ao contrário: ensinamos os homens a serem mais competitivos para que eles vençam por si só. Sem ajuda, sem facilitações, sem trapaças: apenas ele e seus próprios desafios!

4 comentários:

  1. Esse papo de 'importante é competir' é desculpa esfarrapada de perdedores. O importante é vencer e esmagar o adversário.

    ResponderExcluir
  2. Ae cara, concordo com vc.
    Realmente competição é mt bom
    Parabéns por concordar comigo, o  blog tá mt mal escrito.
    Tudo de bom pra ti
    valeu !

    ResponderExcluir
  3. Texto extremamente motivador. Vai tomar no meu cu! Tava meio desanimado aqui... Esse texto me levou a ter inspirações poderosas! Porra!

    Importante é competir é o caralho!

    ResponderExcluir
  4. será que existe mulher que preste nesse planeta terra ? se existir alguem me avise pois até hoje não consegui achar ninguém. o Brasil tá infernal com essa mulherada, 2014 no ano da copa vai ter um montão de gente com chifres na cabeça

    ResponderExcluir