Somos mercadorias

Quanto está a sua cotação sexual hoje?

Imaginemos que você dispõe hoje de R$40 mil, e quer comprar um carro. Temos dois carros que custam, exatamente, R$40 mil cada um. O primeiro tem poucos recursos, não está na moda e não agrada muito o seu gosto pessoal. O segundo, ao contrário, tem recursos de última geração, agrada o seu gosto pessoal e é visto na rua com frequência. Em qual dos dois você investirá seus R$40 mil?

É óbvio que você irá escolher o segundo.

Agora, imaginemos que o primeiro carro (o modelo sem graça) é fabricado por uma empresa preocupada com o meio-ambiente. Além disso, essa empresa mantém algumas ONG's que assistem crianças carentes, respeita os direitos trabalhistas (os funcionários só falam bem da empresa onde trabalham) e o dono é uma pessoa honesta e muito bem-quista. 

Quanto ao segundo carro (o modelo super-descolado), o dono não liga para o meio ambiente, sonega impostos, obrigações trabalhistas, e o pior: usa a empresa apenas como fachada para atividades ilegais.

Pergunto novamente: qual dos dois modelos você escolheria?

Olha, eu sou capaz de JURAR que você CONTINUARIA ESCOLHENDO O MODELO SUPER-DESCOLADO! Duvido que você mudaria sua opinião a respeito do segundo carro, mesmo tomando conhecimento do péssimo caráter do dono da montadora. Não, não só você: todo mundo continuaria comprando o maldito carro, mesmo sabendo que poderia estar, indiretamente, financiando atividades ilegais! Dane-se o que é moral e ético neste caso, porque o que importa é estar "cool"!

Esta realidade descrita acima também se aplica ao campo sexual. As pessoas (homens e mulheres) tendem a valorizar mais a "embalagem" que o "conteúdo". Homens buscam mulheres lindas, com seios fartos, bunda definida, barriga mínima, rosto angelical, cabelo liso e coxas grossas. Mulheres buscam homens altos, fortes, com rosto que transmite agressividade e personalidade dominante; ou, ainda, bem-sucedidos financeiramente, líderes, que têm carro e com personalidade ambiciosa.


Ao invés de ficar se enganando sobre a natureza do sexo oposto, aprenda a ir direto ao ponto!

Perceba que, em momento algum, eu citei "caráter" nessa história. O foco deste blog é o comportamento feminino, mas, neste caso, podemos estender o assunto aos homens. Tanto um quanto o outro buscam características ligadas ao EXTERIOR. Ninguém está se importando o quanto você é "legal", "companheiro(a)", "atencioso(a)", fiel, etc. As pessoas querem saber é se você tem uma "embalagem" com alta cotação no mercado sexual. Quanto aos seus gostos, afinidades e pretensões, isso fica para análise em um segundo momento (na verdade, isso sequer chega a ser analisado).

Você, leitor, é único. Ninguém é igual a ninguém, isso é fato. Porém, isso não te torna especial! Ninguém liga para o fato de você almoçar usando dois garfos; ou de ter o costume de dormir com a janela do quarto aberta; ou pelo fato de curtir os livros de Machado de Assis. Ou qualquer outro costume bizarro que você tenha! Danem-se suas peculiaridades, isso não faz diferença no campo amoroso!

O texto parece ter um tom de desabafo, ou de protesto contra a realidade do mercado sexual. Mas a intenção, aqui, é justamente abrir seus olhos, para que você se adapte a esta realidade, QUE NÃO MUDARÁ NUNCA! Mulheres sempre desejarão homens poderosos; homens sempre desejarão mulheres gostosas! 

As mulheres têm o péssimo hábito de choramingar para todo mundo, dizendo que são tratadas como objetos. Na verdade, quem costuma tratar os outros como objetos são elas! Para elas, você não passa de um monte de músculos ambulante, ou uma carteira ambulante, ou um carro ambulante (ao velho estilo Herbie - o fusca), ou uma personalidade sensacional ambulante! Para elas, por trás dos músculos, do dinheiro, do carro ou da personalidade, não tem ninguém, nenhum ser humano, com sentimentos, emoções e pretensões!

Por isso, elas não têm o direito de reclamar quando as vemos como objetos também. Se você vê as mulheres como bundas ambulantes, seios ambulantes, rostos, etc., enfim, como um mero objeto sexual, não se culpe por isso: você é normal!



Portanto, ao invés de ficar aí quebrando a cabeça para descobrir como chegar naquela cavala da faculdade, ou naquela tchutchuca do trabalho, trate de aumentar o seu valor no mercado sexual. Nunca é demais repetir: vá fazer um curso que dê retorno financeiro! Vá malhar! Se aprofunde mais nos blogs da real e desenvolva o desapego! E abandone a velha visão romântica que você sempre teve a respeito delas!

2 comentários: