O Dinheiro e as Mulheres.

Por Cassidy

Não, cuecada velha...

Vocês não vão ler mais um texto relatando o quão as mulheres são interesseiras e dinheiristas.
Hoje vou contar uma história, uma história que acontece diariamente com milhares de brasileiros.

Vou contar a história do seu Onofre.

Seu Onofre nasceu em um ambiente deprimente. Uma casa suja, sem muitos cômodos e toda empoeirada. Seu Onofre tinha problemas respiratórios e não raramente espirrava até os pulmões saírem devido à esse problema. Sua mãe, dona Célia, não podia levá-lo ao Pronto Socorro porque trabalhava de diarista durante 12 horas por dia.

Seu pai, o seu Adamastor, sempre foi um velho ranzinza e alcóolatra. Na verdade, ele era o pai ilegítimo de Onofre, visto que o pai biológico estava na cadeia por não pagar as pensões alimentícias. A vida de Onofre era triste, fraca e seca. Ele não tinha dinheiro nem pra comprar uma pipa e sua infância foi um fracasso.
Com as mulheres então, o problema era maior ainda...tímido, feio e burro, mal conseguia dar um beijo na boca. Perdeu o BV com 20 anos e a virgindade com 25, juntando o dinheiro do salário pra comer uma puta de esquina. Pegou uma doença venérea.

Sua personalidade foi mudando. Onofre culpava a Deus e o mundo por sua pobreza e miséria. Era um fracassado de marca maior. Com o tempo, começou a olhar com maus olhos o dinheiro e as pessoas ricas.
Se perguntava:
"Eu sempre fui um cara honesto, trabalhador e cresci numa casa fodida, pichada e suja. Porque eu sou pobre e esses filhos da puta que sorriem o dia inteiro são ricos?"
Onofre passava o dia inteiro no bar com os seus amigos Crebinho e Cereja, dois pobretões que igualmente falavam mal de dinheiro e ricos o dia inteiro. Comiam torresmo e enchiam a cara, não tinham dinheiro pra pagar um curso, mas pra comprar uma 51 então...era festa!

Conhecia algumas pessoas igualmente pobres, mas que procuravam melhorar a cada dia mais. Reconheciam a falta de dinheiro e que o mundo era movido à interesses, porém durante a discussão demonstravam a vontade em mudar e sair da merda em que se encontravam.
Muitos saíam, inclusive seu primo que morou junto com Onofre. Não deu um mês e Onofre começou a difamar o primo: dizendo que este roubou pra ficar rico, virou outra pessoa, só vive pra dinheiro e agora é um filho de uma puta de grife.

Depois de anos e anos reclamando, Onofre acha seu pote de ouro no fim do arco íris, um de seus colegas, igualmente pobre lhe dá ótimas dicas de como sair da lama. Descobre um meio de tirar uma grana: vender cabritos. No começo, não dá tanto certo e ele novamente põe a culpa no mundo e no dinheiro, e em quem o possui, claro. Mas com o tempo, a prosperidade vai tomando conta da mesa de Onofre. Sua mãe, falecida e seu pai em um asilo, Onofre agora tem liberdade para com a sua casa.



Aliás, ele vende a velha casa. A prosperidade sorri para ele. Compra uma nova...aparece com um carro na frente do bar onde se encontravam Crebinho e Cereja. Ele não é mais a mesma pessoa. Falar mal de ricos e de dinheiro? Pra que, ele tem agora e muito!
Onofre durante sua vida inteira falava mal de ricos e de dinheiro, e mal sabia que em uma grande oportunidade iria faturar sua sorte.
Seus amigos que falavam mal de dinheiro o dia todo? Fodam-se eles! Bando de reclamões pobres que só sabem por a culpa no mundo!
Como pessoa? Continua sendo burro, mal sabe o que é ler um livro direito e acha que Strogonoff é o nome de uma cidade Canadense.

Onofre não se desenvolveu, apenas arranjou a pobreza como provisório lar para reclamações e indignações. Não mudou, continua sendo pobre. Mas com dinheiro.


Onofre apenas usou a reclamação da pobreza e a maldição ao dinheiro como forma de distração. Só reclamava e não evoluía. Foi o primeiro a largar seus ideais e suas ações por dinheiro. Hoje ele fala mal dos pobres que conviveram com ele, lhe deram dicas e até ensinaram como vender a porra de um cabrito! E de quem tá lutando pra chegar em um bom patamar.

Agora façamos um exercício. Troquemos a palavra dinheiro por Mulheres. A palavra rico por Cafajestes ou Alfa, como preferir. Onofre, um grande guerreiro da real, metedor das reais sobre a falta de dinheiro.


Coincidência?

0 comentários:

Postar um comentário