A falsa Fragilidade da Mulher.


Por Betooww

Prezados guerreiros da REAL,

Eu leio muito sobre a REAL já fazem alguns anos e comecei a escrever agora. Estou compartilhando meu primeiro texto e gostaria de umas opiniões. Abraços e obrigado pela leitura! 



“As mulheres são o sexus sequior, o sexo que sob qualquer ponto de vista é o inferior, o segundo sexo, e em relação a cuja fraqueza deve-se, por conseguinte, ter consideração. Contudo, demonstrar-lhes veneração é extremamente ridículo e nos diminui aos olhos delas” (Schopenhauer)

Inicio essa primeira postagem com esse pensamento de Schopenhauer já alertando que a tal fraqueza mencionada por Schopenhauer deve ser entendida tangente exclusivamente ao aspecto físico da mulher. Indiscutivelmente a mulher é fraca fisicamente se comparada ao homem, e essa condição foi também a premissa que desenvolveu e sofisticou suas estratégias para dominar e submeter por meio de jogos de sentimentos e da manipulação das crenças e dúvidas na mente masculina. Sendo que Schopenhauer complementa:


"Assim como a lula, também a mulher gosta de esconder na dissimulação e de nadar na mentira. Assim como a natureza equipou os leões com garras e dentes, os elefantes com presas, os javalis com colmilhos, os touros com chifres e sépia com a tinta que turva a água, também proveu a mulher com a arte da dissimulação, para sua proteção e defesa; e toda a força que ela conferiu ao homem na forma de vigor físico e razão, consagrou à mulher na forma desse dom. A dissimulação é, por isso, inerente a ela, razão pela qual cai quase tão bem às mulheres tolas quanto às espertas. Pelo mesmo motivo, fazer uso dela em qualquer ocasião lhe é tão natural como para os animais usar subitamente suas armas no ataque, sendo que elas sentem que usá-la constitui, por assim dizer, um direito seu.

Uma mulher totalmente verdadeira e não dissimulada é talvez algo impossível. Exatamente por isso elas percebem facilmente a dissimulação alheia, de forma que não é aconselhável tentar usá-la perante elas (sic)." (p. 24)

Ora, vimos tal que a dissimulação é intrínseca à mulher sendo que boa parte da persuasão feminina dá-se de forma irracional, ou seja: emotiva. Assim, a solução plausível a não cair no jogo feminino é anularmos o fator emotivo. É não nos ENTREGARMOS EMOCIONALMENTE. Assim, a tornamos impotente contra nós, o que possibilita dominá-las. O grande segredo então é o desapego emocional. 
Sendo honestos perceberemos que boa parte do nosso apego é atribuído ao sexo. Logo para desapegarmo-nos de uma mulher em específico, devemos transar com várias de forma a diminuir essa fortíssima apelativa. Prostitutas, feias, amigas, enfim... Farpe tudo mesmo. Só assim ocorrerá o desapego sexual e não precisarás implorar por sexo para mulher nenhuma. Caso namore, não obstante coma também sua namorada de forma homérica!





Sexo frágil é uma cultura errônea que nos foi ensinada, assim como o romantismo (que hoje vem quase exclusivamente da parte masculina). Você tem que dar flores, mas já recebeu alguma? Entenda que por receber flores quero dizer algo que você apreciaria receber, que seria receptada com prazer. Ou seja, um oral completo, uma aventura sexual, etc. A mulher não busca o romântico, ela busca o homem seguro e se apaixona por quem paradoxalmente fagulha-a a sensação de insegurança sobre o que sente por ela, oscilando entre momentos de extremo carinho com momentos de extrema indiferença, não obstante sendo sempre carinhoso e sereno no tratar a mulher. 

Veja que o desapego não pressupõe violência. Devemos sempre ponderar que elas são inferiores fisicamente e toda violência contra a mulher é condenável. Desapego é uma condição de indiferença ao que ela diz ou faz, sendo que as coisas ruins devem ser tradas com indiferença de forma a não afetar o seu psicológico ou emocional, porém não devem ser ignoradas do ponto de vista penal, sendo aplicados castigos emocionais como punição. Analisemos essa frase: “A melhor defesa é o ataque” essa frase pode ser sintetizada assim “a melhor defesa contra um ataque, é um ataque de igual sentido (contra-ataque).” Na nossa discussão em específico quer dizer que se a mulher ataca (joga) com nosso emocional, devemos aprender a contra-atacar também de forma emocional, tendo a racionalidade como respaldo já que a razão é um dos instrumentos conferidos ao homem. Deve ficar claro que a culpa por má conduta é dela e que as punições, ou privações, ou "contra-comportamentos" são aplicados para desarticular armações que foram criadas para você. Sempre domine na relação, Sempre estabeleça regras e punições para regras que forem transgredidas, isso deve ficar claro desde o início da relação e caso houver transgressão tenha firmeza ao aplicar a punição sob o risco de ser domado e ficar impotente posteriormente!

Pessoal, faço citações aqui, discorro e complemento com o MEU ponto de vista, mas não nos detenhamos a exclusividade do MEU pensamento ou a de determinados autores. Não tomemos como verdade. Devemos sempre criticar e sermos receptivos (hospitaleiros) à crítica de outrem, de forma a sempre refinar, aprimorar e complementar o que nosso ponto de vista, isso é premissa fundamental da dialética e deve ser sempre respeitado.

Lembre-se que educação deve estar em primeiro plano em nossa vida, por isso estude e amplie seu ponto de vista SEMPRE!


Referências: Nessahan Alita: Como Lidar com Mulheres; Arthur Schopenhauer: A arte de Lidar com as Mulheres

3 comentários:

  1. Excelente texto! parabéns

    ResponderExcluir
  2. Eduardo Pooter Reis11 de novembro de 2011 18:59

    Acho que poderia melhor elucidar a parte que trata sobre: "Sempre estabeleça regras e punições para regras que forem transgredidas".

    ResponderExcluir
  3. Sexo fragil quando convém, só pra meter uma bola na tuas costas, bando de manginas.

    ResponderExcluir