Atrações, repulsões, e o pessimismo.

Por betooww

Caros guerreiros, 

Estava eu a assistir uma série de documentários de filosofia: "Filosofia, um guia para a felicidade" quando hoje ao me deparar com um tópico de sinais que as fêmeas emitem para demonstrar interesse, resolvi escrever-vos.

De antemão peço-vos desculpas por minha não preocupação em trabalhar de forma profunda meus textos, normalmente escrevo-os em no máximo 15 minutos quando tenho alguma idéia, e escrevo para que debatamos essa idéia para só depois trabalhá-la e aprofundar em um texto posterior.

Primeiramente gostaria de trabalhar a idéia do pessimismo. A série me ensinou que o pessimismo é extremamente vantajoso ao otimismo, apesar da palavra ser freqüentemente estar associada a idéia de coisas ruins, ela pode melhorar em muito nossa paz e qualidade de vida.

É uma idéia extremamente simples, para quem quer por em prática consiste em:

-Avalie todos os dias, logo ao acordar, suas tarefas a serem executadas.
-Atribua-as desastres totais, ie.: se algo que você fará no dia pode dar errado, considere a possibilidade de sair pior que errado.

ex.: Se você vai fazer um check-up, pense: Hoje farei um check-up e serei diagnosticado com câncer.
Hoje onibus atrasará muito, logo chegarei uma hora atrasado no trabalho. 
Parece cabuloso né? 

Perceba que objetivo interessante:

Quando algo der errado, isso já estará previsto, e se der errado você aceitará o erro melhor. 
E se a atividade tiver um pequeno desvio de erro você pode ficar até contente com o resultado. Assim no final do dia podemos análisar em que temos o poder de alterar as coisas (até que ponto as coisas dependem de nós) e em que não temos poder de alterar as coisas (até que ponto as coisas dependem dos outros).

O otimismo nos leva a criar expectativas nas pessoas, e as pessoas são falíveis, assim as expectativas tendem a ser frustrantes.

No tocante às atrações e repulsões, nos é apresentada a frustrada vida amorosa de Arthur Schopenhauer. O documentário propõe que para sermos felizes devemos ignorar e o amor e aceitar que vivemos em função da reprodução. Procuramos a todo instante, indiretamente, a reprodução. E as atrações e repulsões se dão de forma a complementar e aprimorar as características dos indivíduos, garantindo o sucesso das futuras gerações. Um exemplo citável pode ser visto em um dos tópicos aqui, onde foi citado que os negros procuram parceiras brancas para ao longo das gerações irem clareando o tom da pele, ou analogamente uma mulher baixinha que se interessa por um homem alto, para ter um filho mais alto. Uma pessoa nariguda que procura outra com um nariz menor. Claro que existem várias características em jogo, não só essas.

Uma mulher chamada Michelle é usada como exemplo das teorias de Schopenhauer.

Michelle conhecera um homem na faculdade, segundo ela, foi amor a primeira vista, logo estava morando com seu amado. Até que um dia, ao sair de seu trabalho, encontra suas coisas embaladas na portaria com uma carta anexa, dizendo sinteticamente:

“Michelle, não quero mais nada com você. Por favor, Não me incomode.”

Michelle nunca mais saiu com ninguém, e tem sua vida pessoal seriamente prejudicada. Ela, porém, acredita que não houve falta de amor. E o filósofo apresentador propõe que a teoria de Schopenhauer para que aceitemos melhor a rejeição. Para finalizar, deixo um pensamento de Schopenhauer para que os leitores parem de se preocupar com o amor enquanto estejam mais focados no desenvolvimento pessoal.

“O amor é o objetivo último de quase toda preocupação humana; é por isso que ele influencia nos assuntos mais relevantes, interrompe as tarefas mais sérias e por vezes desorienta as cabeças mais geniais.” (Schopenhauer)

Abraços. :soldado:

0 comentários:

Postar um comentário