As 26 teses da abordagem - Parte 2

4- Método da asfixia: essa forma de abordagem compreende um tempo curto e um modo impactante de abordar.

Geralmente, o método da asfixia é eficiente em locais extremamente barulhentos e tumultuados em excesso (shows, micaretas e algumas boates). Esse tipo de ambiente impossibilita qualquer diálogo racional, por isso, a abordagem será feita tomando o alvo pela cintura sem alertá-lo da sua aproximação sorrateira. A garota pode demonstrar interesse ao inclinar-se em sua direção sem que você fale uma palavra sequer, ou te olhar fixamente enquanto você se aproxima; nesse contexto, palavras não são necessárias. Se não for o caso, fale futilidades sobre o ambiente ou a música e faça brincadeiras vagas sobre a aparência ou as roupas da garota. O público feminino mais jovem está mais propenso a acatar o método da asfixia justamente por não terem grande habilidade em observar e dialogar. Outra possibilidade viável é o seu alvo assustar-se com sua proximidade predatória, fato que deve ser utilizado como abordagem com frases do tipo: “Não se assuste, eu mordo pouco” ou “Não se espante, sou bonito assim mesmo”. O método da asfixia é repentino e não costuma garantir mais do que um beijo ou uma noite de sexo a não ser que o predador dialogue com habilidade durante os próximos minutos ou horas de convivência.
5- O Galanteio: A abordagem do galanteador é muito mais elaborada e exige maior concentração. O método em questão é eficaz em locais mais amenos (possíveis de estabelecer um diálogo) como boates de grande extensão ou regiões mais distantes do show (com menor densidade de pessoas). No galanteio, o alvo é alertado sobre seu futuro através de olhares sugestivos (não prolongados para que você não pareça um cagão). Perguntar o nome e informações básicas logo no início te nivela com os concorrentes mentecaptos. O assunto deve se iniciar com uma quebra de padrões que você poderá elaborar em casa. Leia o exemplo a seguir:

Você- Garota, você é tão bonita, posso lhe pagar uma bebida?
Ela- Pode!
Ela esperará você se comportar de forma estúpida, servindo-a, e
você permanecerá parado no lugar de braços cruzados até que ela faça a pergunta esperada:
Ela- E aí, desistiu? Cadê a bebida?
Você- Ah, mudei de idéia, já que também sou bonito, você me paga uma bebida e eu te pago outra!
Observe que nesse jogo de quebra de comportamento você a elogiou, mas se valorizou acima de tudo.
Outra forma de iniciar um diálogo sem ser desagradável e carente é contando um caso engraçado que aconteceu com algum amigo seu (pode ser inventado) ou fazendo alguma pergunta que aguce a curiosidade dela:
Você- Posso te fazer uma pergunta?
Ela- Sim.
Você- Meu amigo, Gabriel, é muito azarado nos seus relacionamentos. Ele sempre é chifrado ou chutado. Mas o mais contraditório é que ele faz tudo o que elas querem, não as trai e sempre dá flores. O que você acha que ele pode estar fazendo errado?
Certifique-se de que você não chame Gabriel e de que seu amigo tenha um nome, caso contrário, ela poderá achar que o “amigo” é você mesmo.
Obs: Ser engraçado (e não um palhaço de circo) demonstra jogo de cintura. O aparente bom humor e um sorriso espontâneo o tornam um predador mais eficiente e com um ar confiante.

6- O pêndulo: o método em questão consiste em efetuar a abordagem de forma mais despretensiosa e pouco especifica, inicialmente é claro; é uma abordagem desviada do objetivo principal e, portanto, de caráter evasivo. O abordador diz coisas vagas sobre a aparência da garota ou sobre o ambiente ou mesmo alguma brincadeira, mas não chega a tentar finalizar o alvo. Ele quebra as expectativas do alvo ao sair de perto dando uma desculpa esfarrapada do tipo: “vou pegar uma bebida” ou “vou ao banheiro”. Durante o seu primeiro contato verbal com a garota ela te avalia de uma forma que pode ou não estar a seu favor. Quando o abordador abandona o alvo sem maiores explicações ele demonstra autocontrole e confiança. Diante desse efeito, o alvo te reavaliará aumentando suas chances. Outra linha de raciocínio plausível é a de que a garota não finalizada tende a aceitar a segunda investida masculina após a fuga repentina pelo fato de o alvo ter uma necessidade natural de manter o controle e conquistar o que aparentemente não está dominado. O método do pêndulo é aconselhável quando a garota é historicamente um alvo difícil e tem um prazer mórbido em dispensar seus admiradores. Geralmente são garotas muito bonitas acostumadas a serem bajuladas e queridas.
7- A abordagem impessoal: a idéia da abordagem impessoal me surgiu quando estava em Porto Seguro vagando pela passarela do álcool com um capeta na mão. Vendedores ambulantes de praia são marcadamente chatos e inconvenientes ao extremo. Enquanto você caminha, surgem diversos deles te empurrando produtos independentemente da sua vontade ou estado de humor, e costumam ser desagradavelmente insistentes. Porém, nesse mesmo dia, uma mulher vendedora me chamou atenção, pois ela usava uns óculos ridículos, chamava todos de lindas e lindos e ainda acenava com a mão para aqueles que olhavam. A forma como ela desempenhava isso era incrivelmente eficiente para as vendas devido ao seu tom de empolgação e prazer pelo o que fazia. Analogamente a esse método de venda, o qual não surte incomodo para o comprador do produto, imaginei uma forma de abordagem do tipo “galanteio” (já citado nesse manual), mas à distância. O abordador deve fazer brincadeiras e comentários engraçados para despertar o humor do alvo, porém, sem tomá-lo pela cintura ou mãos. Isso deve ser efetuado enquanto você caminha próximo ao grupo ou alvo a ser atacado sem, no entanto, interromper sua caminhada. A reação da garota lhe dirá como prosseguir. Essa técnica é eficiente em locais como o caminho de volta no final da festa, garotas se dirigindo ao banheiro ou andando em grupos se deslocando para locais mais afastados da multidão.

ALGUMAS CONCLUSÕES

Durante as investidas, não as elogie, não as venere. Por outro lado, não conte vantagens de você mesmo de forma explícita, como dizer que tem um carro ou casa na praia, sem introduzir isso em um assunto que tenha um contexto suficientemente razoável. Nos momentos iniciais, quando a garota te elogiar, atropele seus elogios ignorando e continuando o assunto, dê um sorriso sem graça e continue o assunto ou fale obrigado rapidamente sem emoção alguma (como se você estivesse agradecendo a alguém que te passou a manteiga no café da manhã). O importante é ela perceber que não causa grandes efeitos sobre você com alguns elogios, o que te faz parecer acostumado a receber milhões deles por dia. Caso ela tenha comportamentos no sentido de te depreciar ou te ignorar, devolva-os com algumas piadas ácidas ou peça que ela não te interrompa enquanto estiver falando (tirada). Se o diálogo permanece insustentável, pense no seu desempenho e o que poderia melhorar e parta para outra imediatamente.

De forma sintética, a abordagem ideal seria manter um diálogo despreocupado com os resultados finais, divertido, bem humorado e regado de alguns toques e esbarrões na garota. A mão é o primeiro local de ataque e geralmente o mais aceito pela garota. O toque pode evoluir para a cintura após algum tempo de diálogo. Muitas vezes, a presa recusa o bote final, mas não oferece resistência para sair de seus tentáculos; nesse caso, a sua finalização é uma questão de tempo. No momento em que você se aproximar e ela não o afastar ou olhar para sua boca, seja “asfixiante”!

0 comentários:

Postar um comentário