Dia da Mulher - Parabéns homens

Por Carvalho

Dia Internacional da Mulher.

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas)
http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm

Esse grandioso fato trágico foi o responsável pela criação do Dia Internacional da Mulher. O problema é que historicamente esse fato jamais foi comprovado. Havia câmeras na época, mas não há uma foto sequer do ocorrido.

Nenhuma foto do incêndio, nenhuma foto das feridas, enfim. O problema em si não é o dia da Mulher, e sim a farsa na qual ele foi criado. É certo que as mulheres sofriam no período Industrial, mas o número de homens mortos diariamente nos mais variados serviços, foi infinitamente maior que 130 tecelãs.

Enquanto isso, tragédias provadas e fatuais como o naufrágio do Titanic onde mais de 2.000 homens morreram e deram prioridade às mulheres, crianças e idosos, não há nada que se comemore - só a repetição de um mesmo filme todo ano - e o memorial nos Estados Unidos não recebe muitas visitas.

Esses mais de 2.000 heróis não são lembrados. Não vejo na televisão nenhuma homenagem ou algo que enalteça a imagem masculina como se faz com a mulher.
É certo que a mulher passou seus problemas, como o homem. Nenhum sofreu mais que o outro (aliás até arrisco a dizer que sempre foi o homem o mais violentado, em gueras, tragédias, pestes, foi sempre o mais afetado, justamente por cumprir seu papel natural de proteger as mulheres).

130 operárias que morreram em um suposto incêndio criminoso foram o suficiente para criar uma data de exaltação, mas milhões, bilhões de homens mortos defendendo sua pátria, suas famílias e seus ideais, protegendo indefesos e inclusive as mulheres, absolutamente não são lembrados.

Onde estão as homenagens aos soldados do dia D?
Onde estão as homenagens aos homens do Titanic?
Onde estão as homenagens aos cruzados, sim, eles que empreenderam guerras até hoje criticadas, mas foram responsáveis pelo Ocidente não ter sido conquistado pelos árabes? (se as mulheres acham que os ocidentais as oprimem, queria ver como seria para elas viver sob domínio árabe).
Eu não vejo essa mesma valorização. Aliás até há o dia do Homem, mas desconhecido e pouco divulgado.

O homem é apenas uma figura descartável, apenas um fantoche.

Mas nesse dia da mulher meus parabéns vai para os verdadeiros homens, guerreiros que protegem a sociedade, que sabem valorizar a vida, que dão sua própria vida diariamente em prol do bem maior.

Em especial aos heróis do Titanic:

1 comentários:

  1. Tirando o dia D, q acredito que todo ano tem comemoração lá na França com os veteranos sobreviventes e familiares, realmente não conheço nenhuma comemoração especial em que tenha mais rasgação de seda igual ao dia da mulher. E mesmo assim a homenagem ao dia d é algo mais regional.

    ResponderExcluir